Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A arte de um mágico é distrair os olhares do público para uma mão, enquanto a outra transforma habilmente o logro em verdade.

Vem isto a propósito da enfadonha telenovela, tipo venezuelana, sem classe e argumento a resvalar para a senilidade e estupidificação das audiências que ainda resistem …

«Chega de trapalhadas, de fazer coisas em cima do joelho e de brincar aos festivais (…) uma nova era com os melhores profissionais que temos em Portugal para honrar o passado, e sobretudo para engrandecer o futuro (…) temos tempo para preparar um festival. Estamos a tempo de tudo, de melhores bandas, e de situar Vilar de Mouros no lugar que merece que é no topo dos festivais de verão», frisou Miguel Alves ao Correio da Manhã e Público de 18 de Abril do ano passado.

O Secretariado da Comissão Política Concelhia do Partido Socialista, no dia anterior, afirmava que «durante as últimas eleições autárquicas o PS de Caminha teve uma bandeira política: o regresso do Festival de Vilar de Mouros. Esta é a nossa ambição, esta é uma das prioridades do nosso programa político. O PS sempre defendeu o Festival e na Primavera de 2013, no lançamento da pré-campanha eleitoral, colocou o seu regresso como uma das prioridades para o mandato 2013/2017». E concluiu: «O Festival não morreu! Ressurgirá já no próximo ano e ao mais alto nível».

Na altura, Miguel Alves alugou um autopullman, encheu-o com jornalistas da região e o seu staff e foram até à capital anunciar a boa nova …

‘Atiraram-se’ para os microfones dos repórteres acordos celebrados com empresas organizadoras de grandes eventos, houve juras recíprocas de credibilidade, só faltaram champanhe e uns salgadinhos …

A AMA, anterior potencial organizadora do Festival já tinha recebido o ofício presidencial com o ‘despedimento’, no rasgar de papéis, e o futuro estaria, a partir dali, nas mãos de empresas como Música no Coração e outras de nomeada. Há cerca de 2 meses, Luís Montez ‘bateu com a porta’ e afirmou (passo a citar): «A Câmara de Caminha se quiser que organize ela». Quero crer que Miguel Alves, como jurista, terá ‘blindado’ o acordo caso uma das partes não cumprisse, mas até isso não me estranharia ter dado de barato …  

E eis que, chegados aos dias de hoje, sem os holofotes, microfones de outrora ou eventuais promessas de prebendas de que os empresários necessitam para as suas actividades, o presidente da Câmara Municipal de Caminha anunciou há dias que agora sim, agora temos gente, temos patrocínios (que não especificou)…

E tem uma empresa, a Surprise & Expectation, que foi criada – imaginem – há uma semana no Cartório de Caminha e e indicou como sede instalações da própria autarquia. Tem dois jovens sócios de Lisboa: António Paulo Costa Ventura (do qual não encontrámos registo no Google nem no Facebook) e Diogo Patrício Marques que é proprietário da Dot Global. Aguardemos!

E depois disto, haverá quem não acredite que a política é, afinal, a mais velha profissão do mundo? Muito mais que outras ..

 

minhodigital.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:42



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D