Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Novo percalço no controverso processo de organização do Festival de Vilar de Mouros deste ano, com a saída de Álvaro Covões e da empresa "Everything is New" da co-produção do evento aprazado para finais de Julho (30/Julho-2/Agosto).

 

A um mês da realização do evento, a Associação dos Amigos dos Autistas (AMA), responsável máxima pela tentativa de reerguer o Festival após sete anos de interregno, foi obrigada a encontrar um novo parceiro a fim de apresentar uma programação que tarda em ser divulgada.

 

Segundo apurámos, foi contratada uma empresa inglesa para suprir a saída da "Everything is New", esperando-se o anúncio do programa para dentro de alguns dias, uma vez que é intenção da AMA e Câmara de Caminha manter o evento.

 

Recorde-se que a 2 de Abril deste ano, a anunciada apresentação de bandas, realizada em Lisboa, se saldou apenas pelo anúncio dos Xutos e Pontapés, José Cid, Trabalhadores do Comércio e Capitão Fausto, sendo prometido para os dias seguintes o anúncio de mais conjuntos, nomeadamente estrangeiros.

 

Contudo, o tempo foi passando sem que fosse cumprido o prometido nessa conferência de imprensa de Lisboa, avolumando-se os receios de que algo de errado se estaria a passar.

 

Quase três meses depois, sabe-se que Álvaro Covões bateu com a porta, obrigando a que fosse encontrada uma alternativa, face à incapacidade da AMA em levar por diante um projecto que Marco Reis classificou como "um dos maiores eventos de economia social, pela escala que tem, pelo que envolve e, sobretudo pelo seu fim".

 

Longe vão os tempos de "certezas eleitorais" em que que o protocolo assinado por Marco Reis e Flamiano Martins, em representação da AMA e Câmara de Caminha, em meados de Agosto de 2013, a meio do espectáculo dado pela Áurea no Largo do Casal, no coração do Festival, causou forte contestação, ao ser acusado esse acto inusitado, de oportunismo eleitoral.

 

Miguel Alves, presidente do município caminhense, contactado pelo C@2000, escusou-se a comentar a situação decorrente da saída de Álvaro Covões, confirmando apenas a realização do evento para as datas previstas.

 

Prevêem-se para breve novos desenvolvimentos deste conturbado regresso do Festival de Vilar de Mouros.

 

Texto publicado no semanário caminha2000

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:10

No rescaldo da última reunião camarária, o PSD emitiu um comunicado a propósito das transferências de verbas camarárias para as juntas de freguesia, afirmando que tinham diminuído 254% em relação às de 2012:

Com o acordo de execução proposto pela maioria socialista na reunião de Câmara Municipal de 04 de junho de 2014, as 14 Juntas de Freguesia do concelho de Caminha receberão menos 254,5% daquilo que receberam em 2012.

A proposta apresentada prevê as seguintes transferências a dividir por todas as freguesias do concelho: a) 27.900,00 € para gerirem e assegurarem a manutenção de espaços verdes; b) 27.900,00 € para assegurarem a limpeza das vias e espaços públicos, sarjetas e sumidouros; c) 83.700,00 € para manterem, repararem e substituírem mobiliário urbano; d) 30.000,00 € para assegurarem a realização de pequenas reparações nas escolas; e) 15.000,00 € para promoverem a manutenção dos espaços envolventes das escolas.

Deste total de 184.500,00 €, 128.500,00 € são novas atribuições que não eram consideradas nos protocolos dos anos anteriores.

Resta a verba de 55.800,00 para comparar com as verbas protocoladas entre os executivos anteriores.

Com 55.800,00 € a dividir pelas nossas Juntas de Freguesia, estas não conseguirão assegurar a gestão e a manutenção de espaços verdes e a limpeza das vias e espaços públicos, sarjetas e sumidouros.

Os vereadores eleitos pelo PSD estão chocados com esta falta de sensibilidade em propor às nossas Juntas de Freguesia estas verbas, ao mesmo tempo que o sr. Presidente da Câmara apela aos srs presidentes das Juntas união de esforços e lealdade.

Nos termos previstos na alínea i), do nº1, do Artº 16º, da Lei nº 75/2013, de 12 de Setembro é competência da Junta de Freguesia "discutir e preparar com a câmara municipal contratos de delegação de competências e acordos de execução".

O acordo de execução entre o município de Caminha e as Juntas de Freguesia do concelho não foi discutido nem as verbas foram expressamente aceites pelas Juntas de Freguesia.

Os valores envolvidos são manifestamente insuficientes para a gestão e a manutenção de espaços verdes e a limpeza das vias e espaços públicos, sarjetas e sumidouros,

Os vereadores eleitos do PSD propuseram que este assunto fosse retirado da ordem de trabalhos e fosse devidamente discutido, negociado e acordado com as Juntas de Freguesia antes de, à pressa, ser apresentado para aprovação na Câmara Municipal.

Não tendo sido aceite a retirada da proposta, os vereadores do PSD votaram contra proposta essencialmente porque a verba é perfeitamente irrisória.

Recomendaram que fosse reforçada a verba para a gestão e manutenção dos espaços verdes e a limpeza das vias e espaços públicos, sarjetas e sumidouros em detrimento da manutenção do mobiliário urbano e das pequenas reparações de escolas e zonas envolvente. Podendo mesmo estas competências continuarem a ser da Câmara Municipal.

 

Texto retirado do semanário digital caminha2000

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:31

Comunicado da Associação de Pescadores enviado à imprensa

 

O Senhor Secretário de Estado do Mar Manuel Pinto de Abreu recebeu hoje - 2014.06.06 - em audiência a Associação de Pescadores Profissionais e Desportivos Vila Praia de Âncora representada pelo seu Presidente Vasco Presa e pelo Assessor da Direcção Carlos Sampaio. Acompanhou-nos nesta audiência o Deputado do PSD pelo Círculo de Viana do Castelo Eduardo Teixeira e a Presidente da Comissão Política do PSD de Caminha Liliana Silva.

 

Nesta audiência, o Senhor Secretário de Estado Manuel Pinto de Abreu demonstrou pleno conhecimento das diversas problemáticas que afectam o porto de mar de Vila Praia de Âncora, bem como todos os problemas causados pelo rigoroso Inverno nesta zona costeira.

 

A Associação de Pescadores teve a oportunidade de entregar em mão vária documentação, ofícios e e-mails e outra correspondência trocada com várias entidades (IPTM, Docapesca, etc) bem como a entrega de um dossier com várias fotografias referenciando a degradação de vários espaços, estruturas e infa-estruturas, que estão a acontecer nesta zona portuária.

 

Depois de ouvir atentamente toda a problemática e assuntos expostos pela Associação de Pescadores, o Senhor Secretário de Estado do Mar referiu:

o A adjudicação e a execução das obras/reparação do acesso e pontão móvel a Sul (já a decorrer);

o Referiu que vai avançar também a reparação das escadas metálicas a Norte;

o Deu-nos conta das cotas de assoreamento existente desde a boca do porto de mar até ao seu interior e o possível calendário para o desassoreamento;

o Quanto ao pontão móvel a ser instalado junto à lota para descarga do pescado, comprometeu-se a avaliar o seu custo e a equacionar a sua colocação;

o Considerar o estudo pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) sobre o Porto de Mar de Vila Praia de Âncora, no ano de 2015;

 

A Associação de Pescadores Profissionais e Desportivos Vila Praia de Âncora faz um balanço muito positivo desta audiência, agradecendo desde já a forma como o Senhor Secretário de Estado nos recebeu, a sensibilidade e a atenção disponibilizada para os problemas e questões abordadas, bem como o acompanhamento e apoio manifestado para esta problemática pelo Deputado Eduardo Teixeira e a Presidente da Concelhia Liliana Silva.

 

Resta-nos agora aguardar pelo desenvolvimento das obras e mantermo-nos sempre disponíveis e colaborantes para o que nos for solicitado pelas Autoridades Governamentais e que esteja ao alcance desta Associação, com o objectivo de melhorar este espaço e criar as melhores condições possíveis aos nossos associados para a prática da actividade profissional piscatória e desportiva.

 

Associação de Pescadores Profissionais e Desportivos Vila Praia de Âncora

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:24

António José Seguro e António Costa vão disputar a liderança do partido socialista através de eleições primárias. O jornal PÚBLICO avança que, em caso de derrota, Seguro deverá demitir-se.

 

A disputa da liderança do PS, que, apesar de tudo ganhou as eleições europeias, está a dividir o partido.

 

No Alto Minho, na última semana, quatro dos seis autarcas eleitos pelo PS tomaram posição pública para apoiar António Costa. E fizeram-no como presidentes de Câmara. Assim o fez o autarca de Monção, Augusto Domingues; o de Paredes de Coura, Vitor Pereira; o de Ponte da Barca, Vassalo Abreu; e o de Caminha, Miguel Alves.

 

O apoio do autarca a António Costa caiu mal na concelhia socialista, que não foi consultada sobre o assunto. 

 

Miguel Alves, que também é o presidente daquele órgão socialista, tomou posição pública de apoio a António Costa como presidente da Câmara de Caminha. Dentro do executivo camarário há outros socialistas que apoiam a outra facção, a de Seguro, e, por isso, a concelhia vai reunir-se de urgência esta noite para debater o problema.

 

Rui Teixeira, militante socialista e vereador na Câmara de Caminha, promete reagir

publicamente na terça-feira. À Rádio Caminha já antecipou o desconforto com a atitude do presidente da Câmara e líder da Comissão Política concelhia do PS de Caminha.


Na semana passada, a Rádio Caminha recebeu, via email, um comunicado com o símbolo do Partido Socialista e com o título “Presidentes das Câmaras Municipais de Ponte da Barca, Monção, Caminha e Paredes de Coura defendem a convocação urgente de um congresso extraordinário”. O comunicado é assinado pelos quatro, com a designação, por debaixo do nome, de presidente da Câmara.

 

O comunicado é verídico, mas agora, Miguel Alves, presidente da Câmara de Caminha, um dos quatro autarcas socialistas do Alto Minho que assinou o documento, nega que o tenha feito como presidente de Câmara. Nega o que está escrito, mesmo estando escrito.

 

Esta noite, a concelhia do PS de Caminha vai reunir-se para, entre outras coisas, analisar e debater a tomada pública de posição do presidente da Câmara de Caminha apoiando a candidatura de António Costa à liderança do PS. 

Quem também já veio a público manifestar “incredulidade” pela tomada de posição dos presidentes de Câmara foi um dos dirigentes nacionais do PS. Nuno Silva é um político caminhense, irmão do vereador Rui Teixeira e dirigente nacional do Partido Socialista, que está ligado à liderança de António José Seguro.

 

Retirado do Caminhense online

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:23


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D