Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Casa Ventura Terra merece melhor sorte

por pubicodigital, em 01.07.13

A Câmara Municipal de Caminha, depois de se ter revelado incapaz, durante onze anos, de preservar e valorizar a Casa Ventura Terra, em Seixas, freguesia natal do grande arquiteto português, imóvel por si adquirido em 2002, deseja agora, a três meses de eleições, entregar esse património municipal, em regime de comodato, por um período de 30 anos, a uma associação de direito privado fundada há apenas um ano — "Associação Ventura Terra", com sede em Barcelos — da qual não se conhece qualquer actividade realizada ou currículo dos seus responsáveis.

O Bloco de Esquerda de Caminha procurou sensibilizar a Assembleia Municipal realizada em 28 de junho para a irresponsabilidade da viabilização desse protocolo mas encontrou todo o tipo de dificuldades, a começar pela falta de acesso a uma informação fundamental: o “Programa Estratégico de Reabilitação da Casa Ventura Terra” realizado em 2010 por uma arquitecta com créditos firmados no estudo da obra e vida de Miguel Ventura Terra (1866-1919), técnica superior da própria Câmara Municipal de Caminha. É absolutamente inexplicável o facto desse documento, citado no articulado do protocolo como seu fundamento e caução, não ter sido apresentado aos deputados municipais, mesmo depois de ter sido pedida oficialmente, com a antecedência devida, a sua consulta.

 

Com a inaceitável falta de transparência deste processo, exige-se que a Câmara Municipal de Caminha divulgue rapidamente o “Programa Estratégico de Reabilitação da Casa Ventura Terra” e o coloque em discussão pública na freguesia de Seixas e em todo o concelho, de modo a perceber-se da sua compatibilidade com o disposto no protocolo com a "Associação Ventura Terra" que, entre outras disposições, entrega a esta associação a tarefa de elaborar o “projeto de requalificação de arquitetura” — que poderia ser realizado pelos quadros da Câmara, entregue a um arquiteto de reconhecido mérito ligado ao concelho ou até à Ordem dos Arquitetos —, sendo que depois já não a responsabiliza pelo seu financiamento mas a autoriza “a ceder a terceiros a exploração de espaços”, bastando-lhe a autorização da edilidade.

 

 Em defesa da causa pública, dos melhores interesses dos munícipes de Caminha e de toda a comunidade cultural portuguesa, é pois indispensável que, antes de assinar qualquer protocolo comprometedor, a Câmara Municipal de Caminha, disponibilize toda a informação sobre este processo. A Casa Ventura Terra merece melhor sorte.

 

 Núcleo Concelhio de Caminha do Bloco de Esquerda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:27


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D